sábado, 25 de janeiro de 2014

Festa no Covil - Juan Pablo Villalobos




Juan Pablo Villalobos é um nome de muita promessa na Literatura. Nascido no México, mas morando atualmente no Brasil. Seu primeiro romance “Festa no Covil” foi lançado originalmente na Espanha, lançado no Brasil em 6 de fevereiro de 2012 pela Companhia das Letras.

Tochtli é um menino que vive em um palácio cercado de luxo e mimos, mas sem poder sair do mesmo por ser filho de um chefe do narcotráfico mexicano. O menino é que empresta sua voz para que nós leitores conheçamos sua vida. Ele pretende nos contar como conseguiu o que mais desejava: hipopótamos anões da Libéria. Mas na verdade entramos no mundo onde o garoto vive. Um lugar onde a violência é presenciada por todos os seus moradores.

O primeiro livro do autor me comoveu muito. Tochtli narra com bastante inocência as situações que presencia. A doçura do menino apaixona os leitores logo no início do romance. Sua doçura contrasta diretamente com a dureza do seu pai e com a solidão que a criança sente. Ao ouvir uma notícia na televisão onde uma cabeça cortada é apresentada na tela, o menino percebe o desarrumado do cabelo do cadáver. A violência é percebida por ele como algo bastante banal. 

A primeira informação que temos sobre o personagem-narrador é que ele é considerado precoce por conhecer palavras difíceis. Ele nos fala quais são as palavras que conhece logo no primeiro parágrafo. São estas: sórdido, nefasto, pulcro, patético e fulminante. Também usa essas mesmas palavras para descrever tudo o que presencia. Elas são bastante vezes repetidas durante a narrativa, mostrando um traço muito comum em crianças da idade de Tochtli, repetir palavras recém descobertas.

A linguagem usada pelo autor também me encantou. Em algumas cenas em que a violência é bastante crua, a inocência de Tochtli destoa claramente do lugar em que vive e das pessoas com que convive. A naturalidade com que o garoto fala, por exemplo da surra dada a um homem que vê em casa, nos mostra o trabalho minucioso do autor com cada palavra.

A doçura com que Tochtli narrava sua vida também lembrou-me bastante do filme “A vida é bela”, onde um pai também transforma a dureza da realidade de um campo de concentração em uma brincadeira. Essa doçura só seria conseguida com a narração feita por uma criança, no caso do romance.

E a capa? Simplesmente é a capa mais linda que já vi. Ela foi a primeira coisa que me cativou. As imagens e figuras remetendo ao México, país que amo, são lindas. E a imagem imitando xilogravura, arte utilizada também nos cordéis do meu Nordeste. A cor laranja também chamou atenção. Enfim, ela está perfeita!


A edição da Companhia das Letras apaixonando nós leitores, com além da capa, com o papel amarelado e a letra de um tamanho perfeito. Festa no Covil foi uma experiência literária absolutamente nova.

6 comentários:

Mariana Gomes disse...

Deve ser um livro delicioso de ler! Não conhecia o autor, mas parece bem talentoso. E achei a capa muito linda também!

Beijos,
biblioteca-de-resenhas.blogspot.com.br

Bia Rodrigues disse...

Hey *-*
Eu já fiquei com vontade de ler esse livro só por causa da capa. Que é maravilhosa.
Fiquei muito curiosa para conhecer Tochtli, parece ser um personagem encantador.

Beijos
Pepper Lipstick

Cereja Rocks disse...

Olá, tudo bem?

Eu já tinha visto essa capa em alguma rede social, mas no momento só vi e achei bonita, mas nem parecei para procurar sinopse ou resenha.
Agora me arrependo disso, o livro parece ser maravilhoso, com personagem encantador e bem escrito. Vou adicionar ele a minha lista de desejados.

Beijos, Equipe CR.
Visite: Cereja Rocks / Loja Cereja Rocks

Aline T.K.M. disse...

Ainda não li Villalobos (praticamente um crime), mas há tempos estou na vontade/curiosidade, enfim... Além deste, também quero muito ler Se Vivêssemos em um Lugar Normal. E outra coisa, as capas dos livros dele são lindas, bem mexicanas, adoro.

Um beijo, Livro Lab

Maria Ferreira disse...

Já vi o nome desse autor e do livro em alguns lugares, no entanto, só com sua resenha que me interessei pelo livro. Já té marquei como desejado no Skoob.
Gosto de livros em que os personagens principais são crianças. E sim, a Companhia das Letras sempre arrasa em tudo!


Minhas Impressões

Jéssica S. S. disse...

Ouvi falar de muitas pessoas que leu este livro e gostou. O tema é pesado? Não sei se conseguirei ler este livro.
Beijo,
Jéssica, d´O Feminino dos Livros.

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.

© 2011 Viagens Esquizofrênicas a Lua, AllRightsReserved.

Designed by ScreenWritersArena