quarta-feira, 20 de novembro de 2013

O Grande Gatsby - F. Scott Fitzgerald


Editora: Landmark

“Quando eu era mais jovem e vulnerável, meu pai me deu alguns nos quais sempre reflito, desde aquela época. ‘Sempre que sentir vontade de criticar alguém, pense que nem todas as pessoas deste mundo tiveram as vantagens que você teve.’, foi o que ele me disse.”

E é assim que começa a obra do autor F. Scott Fitzgerald. Ele cria uma atmosfera sedutora em torno da Nova York dos anos 20, onde os Estados Unidos vivem uma onda de prosperidade e aumento do crime organizado logo depois da 1ª Guerra Mundial. O autor da observação acima é Nick Carraway, um jovem comerciante, que ao ser convidado para a festa na casa de Jay Gatsby, seu vizinho nos apresenta esse personagem tão misterioso. Ao chegar à mansão, descobre que foi praticamente o único convidado. As outras pessoas apenas chegam. Os convidados falam informações soltas a respeito do anfitrião. O que deixa tanto Nick como o leitor mais curioso para conhecer o bilionário.  

Gostei muito do Nick, principalmente como narrador. A frase que ele escuta do pai dele nos apresenta logo no início do livro a forma como Nick irá descrever seu amigo. Sua narração mostra o contraste entre o bom coração de Nick e o vazio dos seus vizinhos ricos. Ele nos mostra Nova York com uma visão de alguém ingenuo que de repente se depara com todas as imundices que o dinheiro pode proporcionar e como pode também corromper.

Nick me deixou bastante interessada em conhecer Gay Gatsby. E fiquei maravilhada com ele.  A descrição nos mostra um Gatsby buscador de sonhos. Mas qual é o preço dessa busca?
Será que essa busca valerá a pena? Assim como Gatsby, já fiz sacrifícios por pessoas que não valiam a pena...

Eu gostei bastante dessa edição da Editora da Landmark. Apesar de não gostar muito de capa de filme, amei o Leonardo di Caprio nesse filme. Então não me incomodou. Adoro as edições bilingues, pois pretendo ler em inglês um dia... rsrs.. E claro, amo livro em capa dura!!!

O texto desenrola-se de uma forma simples e direta. Mas ao mesmo tempo vamos conhecendo Gatsby e sua paixão desenfreada por Daisy aos poucos. Os personagens secundários também são bastante interessantes. Enfim, se você quer conhecer alguém cheio de mistério e requinte, vá até a festa da casa de Jay ...

5 comentários:

Elder Ferreira disse...

Eu sempre gostei de textos envolvendo essa época pré-crise da bolsa de valores quando os EUA tava em constante crescimento e o jazz estava em alta. Eu vi o filme e fiquei apaixonado tanto pela história e ambientação quanto pela trilha sonora. Super pretendo ler o livro, mas tô pensando em ler em inglês (quanto mais breve, melhor).

Um abraço e parabéns pela resenha,
http://oepitafio.blogspot.com.br

Lua Anna Costa disse...

Elder, eu adorei o livro. A perspectiva do Nck em cima do Jay é muito interessante. Tb adorei o filme... quando vc ler, me fala o que achou.

Denise Mercedes disse...

Li O Grande Gatsby ano passado e foi uma surpresa! A atmosfera que Fitsgerald cria nos envolve completamente. E o personagem Gatsby é muito bom: em torno dele gravitam o sonho, a sua possibilidade de realização e a tragédia... Por incrível que pareça, acho que o Di Caprio se superou interpretando Gatsby. ;)
Beijos!

Lua Anna Costa disse...

Eu também gostei muito do livro. Confesso que tinha um certo preconceito pelo escritor ser norte-americano, mas gostei muito. E o Leo realmente estava ótimo, concordo com você. Beijos!

Rafaella Luíza disse...

Sou curiosa em relação a esse livro, principalmente porque não gostei do filme. Haha
Eu fiquei muito chateada com o desenrolar do filme, mas várias pessoas já me falaram que o livro é muito bom, então, planejo ler em breve. Espero que eu entenda um pouco esse universo que eu não consegui engolir no cinema. rs
Beijo

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.

© 2011 Viagens Esquizofrênicas a Lua, AllRightsReserved.

Designed by ScreenWritersArena